Meio Século

Grupo: Aborigine
Álbum: [Desconhecido]
Ouça o som:   tocar tocar tocar



Bem vindo ao epicentro dos destros
Gigantes ondas privativas que varrem todos os hemisférios
Locam e não compram automóveis de uso público
E em licitações amigáveis dividem os lucros
Que luxo! Quantos quilates têm sua privada?
Em seu frigobar só água mineral, e não encanada.
Tipo aquela mesma que passa por algum colégio
No rótulo. Beba esta junto ao remédio
Ordem e progresso, mas progresso para os ricos.
Ordem para os pobres em sua fila rumo ao precipício
O mesmo onde é jogado o lixo hospitalar
Se não morrerem na queda, ainda há a chance de se contaminar.
Deixa pra lá... Em jornais não vejo isto estampados
Mas é claro o governo fabrica jornais de 25 centavos
Jovens com estatos, porém não são lembrados.
Pois na primeira página apareceram com seus rostos desfigurados
Na policia e nas ruas. A morte por uma cédula
O mesmo que mata, retrata e arrecada com a tragédia.
Largue sua terra. Bem vindo à dinastia do medo
Falta médico, equipamento e até mesmo leito.
Um alto preço... Embarque nas sucatas paulistas.
É o tétano ambulante trafegando sobre as vias
Alegria, o florão da pátria é assim.
Transportada em um trem bala de festim.
Ordem e progresso o clero no florão do planalto
Ao redor os vassalos
Vos apresento a capital sem maquiagem ou máscara
Sua face é facilmente notada em suas entradas
O ar que se respira e a terra que pisa são divididos por muralhas
Conforto as aves, pau de arara os burros de carga.
Gramas a mais, desviam a rota do líquido dos bovinos.
Vão a outra terras e a outros intestinos
E é isso que incomoda, reflexo feio no espelho d?água
Excrementos no lago, lavadores de carro, pedintes da rodoviária.
Não se iluda com novo mundo, boa vida só discurso.
Venha se gostar do calor e belo aconchego de viadutos
Sorte sua se conseguir, pois é grande o povo.
Cuja esperança fora desviada para o entorno
Aqui as coisas são mais fáceis, caderno, farda, lápis.
Mas com a alta qualidade aproxima-se um lado do cárcere, outro das grades.
Lugar mais alto do pódio, a propaganda anuncia sua verdade.
Mas pergunte a um estudante e confira se as colocações batem
Eis o contraste. Para a alta classe película, monólogos, páginas, teclas.
Orçamento não garantido para a vizinhança em que a enxada a mão caleja
Constroem andares, piscinas, suítes.
Trocaram o pau a pique, por lona preta e madeirite.
O sofrimento mudou de endereço, deixou a caatinga, o sertão, o nordeste.
Não esperou aqui chegar, visitou cada buraco das BR´s.
Isso é apenas um trecho da realidade que não acaba, nunca some.
Somente é escondida atrás de mentiras, palácios e pontes.
Refrão
A ordem é ninguém passar fome
Progresso é povo feliz
Brasília? Outros 50
Marcus Dantas





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Aborigine





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form