Cachorro Doido

Grupo: Álibi
Álbum: [Desconhecido]
Ouça o som:   tocar tocar tocar



O frio era tão intenso que os cachorros não dormiam,
Na maior zona, a noite inteira latiam.
Uivavam, brigavam talvez pra se esquentar.
Meu deus, faça essa noite logo passar.
De manhã não existia ?bom dia meu filho?
Saia cedo sem sentir o gosto do trigo.
Quase não tinha mais forças, nem pra estudar
Será que a hora do recreio nunca vai chegar?
Muita idéia rolava naquela cabeça.
Uma mensagem em seu caderno, não se esqueça;
?um homem vale os cavalos que tem?
Agora e na hora de nossa morte amém.
Em sua infância nunca teve privilégio
Sua mãe um sonho se formar e ser um médico.
A vida com o tempo te entregará o seu diploma, antes que entre em coma.
Perguntou à professora sobre sua cor; ?Porque riem do negro? Responda por favor??
?Vamos mudar de assunto, não insista!?
A professora vagabunda também era racista.
Mas uma vez entre a cruz e a espada,
Em sua casa muita fome, a escola é uma piada.
Sinal pro recreio e ele se levanta afoito,menino cachorro doido.
Seu apelido era esse, mexia em lixeiras.
Não perdia de quinta a domingo na feira, verduras frutas estragadas em sua casa,
Entregues à sua mãe, a janta vai ser preparada.
Ele não tinha mais pesadelos com o bich tinha mais pesadelos com o bicha a fome que arrochava irmão,
Mesmo sem estudo o seu futuro ele via, ou a morte ou a cadeia, vixi Maria.
A sua força de vontade era imensa, sua vontade de viver era intensa.
Não morrer como alguns que conheceu, desigualdade, hip-hop sexo e violência.
Com 15 anos era muito respeitado, odiava pilantragens, safados.
Um pouco de estudo que tinha mais a mente aberta
Pensava em união mais alerta,
Ele era um exemplo para seus amigos, nunca usou drogas, ?eu não recrimino?
Mas não aceitava aquilo em sua comunidade
Será que Zumbi pensava assim nessa idade?
Lutava contra isso em seu colégio, seu próprio irmão não suportou aquele tédio.
Picadas em sua veia, foi pro espaço, um abraço.
Não derramou nem uma lágrima em seu enterro
A pobre mãe corria de um lado pro outro no terreiro.
Fortaleceu a vontade de ajudar sua família, por dentro ele sentia.
Sua mãe agora assim desgostosa da vida, passou de alcoólatra à suicida.
Corta os punhos em seu barraco.
Uma cena assombrosa eu relato;
Cachorro doido com o pouco dinheiro que tem, não dava pra pagar o enterro, amém.
Nunca queremos que aconteça com a gente, sua mãe foi enterrada como indigente.
Agora só em seu barraco vazio, o silêncio cobre todos os buracos.
Nunca pensou em sua vida ficar sozinho
Sentia falta de sua família pouco carinho.
Vivendo entre malucos nunca arrebentou.
Com 18 uma nova família formou,
Ensinar à seu filho como é a vida, sem verduras estragadas sem feridas.
Em sua filha pôs o nome de sua mãe, continuando a vida, a divisão dos pães.
Vai dar em dobro o carinho que não teve quando era menino.
Vivo o mundo sub-mundo onde moro,
Agradeço à deus os filhos que adoro.
Não deixe que eu morra sem ajudá-los, é a única coisa que eu imploro





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Álibi





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form