Auto-Estima

Grupo: Câmbio Negro
Álbum: Diário De Um Feto
Ouça o som:   tocar tocar tocar



Em abril de 1.500 eles chegaram ao brasil, puta que pariu,
O país foi invadido por gringos estupraram as índias, escravizaram e mataram índios,
Fuderam a vida dos negros arrancados de suas terras transportados em tumbeiros
Ladrões, assassinos e estupradores, aproveitadores é o que mandavam pra cá pra saquear, roubar,
Disseminar a desgraça, talvez como objetivo homícidio doloso, genocídio extermínio total da nossa raça. preste bem atenção, não trato mal estrangeiro que tá aqui pra trabalhar, ajudar o povo brasileiro,
Crescer junto com o país, ter família, ganhar o seu dinheiro, gerar emprego, ter o que merece ser feliz,
Mas não dou mole pra pilantra que lá fora é merda e aqui quer ser o foda vive empinando o nariz.
O nosso governo é mesmo um lixo, nos tratam como cães verdadeiros bichos.
Mais de 30 milhões vivem na mais aboluta merda, agora se o cara é yank eles abrem as pernas.
Porra que merda, vá se foder! se cara quer vir pro brasil ele vai ter que dizer, o que, quando, como e onde pretende fazer
O tempo que quer ficar horas, minutos, segundos, dias, meses ou anos.
Que porra de país é esse que se diz soberano?
E deixa entrar qualquer um somente pela aparência ou gorda conta bancária?
Governantes tomem vergonha na cara.
Temos que dar um basta nesse inferno nessa putaria, babação de ovo
Em primeiro os caras depois o nosso povo,
Respeitemos primeiro a nossa gente amarelos, brancos, negros, mestiços, todos brasileiros
Mesmo com caras e cores diferentes, mas são nosso povo, nossa gente.
Quem quiser vir que venha pra trabalhar, curtir, viver aqui desde que tenha boas intenções e aja certo
O país te recebe de braços abertos,
Agora pra roubar, sacanear, estuprar como a muito já fazem com todos principalmente com os negros
Aí gringo pega o beco. fatos passados recentes confirmam minha oratória
Pois a nossa história está gravada na memória
Muitas páginas escritas com suor e sangue não queremos mais ser escória,
É incompreensível, inadmissível que as únicas imagens que têem de nós
É de que todo brasileiro é desonesto e ladrão,
De que toda brasileira é puta rampeira e o que me dizem então de suas vacas leiteras
As vagabundas peitudas que só se amarram em negão.
Quem não se lembra do que aconteceu em portugal? mulher chamada de puta homem de marginal
É claro que não foram todos não generalizo mas desde o descobrimento estamos no prejuízo
E ainda tem uns caras que falam em separação, então porque na época da tal da abolição
Não fizeram a reforma agrária, negaram nossas terras, mais uma vez o branco é o certo e o negro é o vilão
Não tá satisfeito aqui pega o beco meu irmão.
Todo momento há um ditado que me inspire os incomodados que se retirem.
É isso aí o brasil é nosso mesmo com seus defeitos pátria mãe gentil eu trago no peito,
X diz a todos mesmo com pobreza de rimas o que nos falta é amor próprio véio, auto-estima.





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Câmbio Negro





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form