Campo Minado

Grupo: Detentos do Rap
Álbum: Deus do Morro
Ouça o som:   tocar tocar tocar



[refrão] 4x
Campo minado não se sabe quando vai disparar
tapete de mortero, fragmentos no ar,
o barato é loco irmão, pra herói ou vilão
brilho na noite é luz, só to acabo com o som
Eh, amanheceu, faço uma prece pra aquele que me guia
que o clarão da vela branca ilumine o meu dia
a fé move montanha em revés de aço
tapetes de mortero desse campo minado
sangue e dor, terror e pavor
choro e velório pra mãe que fico
lembrança e vingança dos truta de infancia
no ódio e na ancia foi o que resto
é o fato do campo minado
cotidiano vilolento de final embaçado
favela, patria abitada por pessoas humilde
que não conhece caviar ou corrige o wisk
perseverança e humildade agente tem de sobra
preto, favelado com orgulho maloca
de nivel desigual, tipo wisk e cerveja
perseguição de policia favela tira de letra
familia tradicional, o filho mais novo
sonhava com a RR e uns os artigo bem loco
mais no Brasil é raro preto ter lugar ao sol
orfão de pai e sem herança sem dom de futebol
18 anos desperdiçado em busca de um horizonte
tento, foi infeliz na fita do mc'donald
[refãro] 2x
Genética precoce bomba relógio
a cada dor, a cada luta, cada velório
mergulhado em meio ao ódio e a ganancia
desigualdade de uma patria sem esperança
Brasil tribunal de justiça sumaria
insano na rotativa de erros e falhas
que se reflete no muleque muito loco de cola
igual a ele no Brasil nasce cem por hora
campo minado o bagulho é imbaçado
sou tradutor dessa lei
creio naquele que me fortalece
assim vo vencendo um dia por vez
favela, viela, quem morre por ela
la o sistema oprime
a cada passo um soldado, recruta do crime
desnorteado e muito loco
é só mais um de cor
sobrevivendo num sistema que você crio
programou, eh, cobiço os quilates,
ostento a mansão ostento o iate
o mesmo que na Globo, perde em volta do povo
de navio de avião despeja a droga no morro
poem policia nas ruas, contrói a prisão
bate o martelo no forum, te da um Fuzil na mão.
O inimigo é diplomado, usa terno e gravata,
mais ao contrario, não se desentende se mata
guerra do tráfico, policia, acerto de facção
por onde passa deixa um rastro, sangue e destruição
a investida social de nós não lembro
mais criticando observa a favela no vapor
homicidios cometidos, por quem, pra que?
grupo de exterminio, toque de recolher
a minha prece foi ouvida, louvado o senhor
a Rota vem pavor, apavoro mais passo
cotidiano violento de final embaçado.
Tapete de mortero, isso é campo minado
[refrão] 2x





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Detentos do Rap





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form