Livro de Auto Ajuda

Grupo: Facção Central
Álbum: O Espetáculo do Circo dos Horrores (1)
Ouça o som:   tocar tocar tocar



[Eduardo]:
Talvez na vida passada tive orelha cortada,
no rosto um F feito em brasa por fugir da senzala.
Ficou os resíduos cármicos da minha reencarnação,
e hoje eu que marco o doutor com o F de Facção.
No epicentro da tragédia sou livro de auto ajuda,
não ensino dar flor a quem te ataca de bazuca.
Mutilado de guerra sem vocação pra pinóquio,
meu oásis é sonda eletrodo, antibiótico.
Quem maqueia a hecatombe é cuzão, playmobil,
quer autografo holofote com 1° de abril.
Não aspira o ar do DRE incinerando cocaína,
não usa RG frio porque saiu sua preventiva.
Nunca teve a sensação do pé mexendo o dedo,
na perna amputada por um tiro abaixo do joelho.
Vem assistir a telefuken de madeira preto e branco,
chamar de lar 4 tapume no barranco.
Só ter futuro catando a Frontier da colunista,
pra fazer treta em pó na Bolívia.
Canto pra um dia andar no carro por nós projetado,
ver o DVD com a patente do favelado.
No vale dos ossos secos que eu piso
ossos não ganham carne tendões, nem espírito.
Ganham circulo de aço de pneu queimado,
viram aroma de churrasco de humano calcinado.

[refrão 4x]
FC não é unanimidade unanimidade é burra,
pros cuzão apologia pra favela auto ajuda.

[Dum Dum]:
AM, FM é enxurrada de groselha,
axé, sertanejo, pagode mela cueca.
Letras sem criatividade preocupação social,
o mesmo hit's em mil versões fórmula comercial.
Música é prostituída pra que rap alto astral?.
cuzão quer sorrir vai ver zona total.
Quem vive vida tribal caçando pra comer,
não quer ouvir sobre goro se comi puta no role.
Nosso suor fez a Paulista o teatro o museu,
mais na placa de bronze não tem seu nome nem o meu.
No seu paraíso o preconceito não é maquiado,
o branco tem melhor salário que o negro no mesmo cargo.
O linguajar do jornalismo é código pro meu supletivo,
só com Pasquali traduzindo no pé do ouvido.
Como se em aramaico dissessem vou desfigurar você
e nós de chapéu sem entender rindo pra TV.
Na cabeça do justiceiro joguei de Uru,
mais sou menos periculoso que a dona da Daslu.
Não tenho dólares na zorba não recebo mensalão,
nem sou a Universal com 10 milhões em dízimo no avião.
Quero crer em Allan Kardec que após a morte há vida,
um plano onde as almas se encontrem um dia.
Me apegar no improvável talvez traga o conforto,
pra aceitar as missas de corpo presente no morro.

[refrão 4x]
FC não é unanimidade unanimidade é burra,
pros cuzão apologia pra favela auto ajuda.

[Dum Dum]:
Século 20 bebida proibida,
lei seca Alcapone hora extra pra legista.
Legalizada Smith Wesson só não protege mais o bar,
faz o brinde vira o copo só o que quer se matar.
Mais quem vai legalizar a galinha dos ovos dourados,
coca é propina semanal pro sargento arrombado.
Lucro pra fábrica de arma, funerária, jornal,
pra político condomínio, guarda patrimonial.
Pra pobre é terno de tergal, véu extrema unção,
cartaz com a nossa foto em forma de caixão.

[Eduardo]:
Sei interpretar o sonho do fuzil automático,
quis vender droga com meu logo no plástico.
Invandir a freqüência dos coxinhas no rádio amador,
cola na boca e sua cabeça vai no isopor pro governador.
O homem com a mente é capaz de dobrar garfo,
faz fugir pro exterior a família do empresário.
Preferi citar Hendrix, Maradona, Garrincha,
alertar a favela sobre o álcool e a cocaína.
Citar que aqui plastifico o jornal do meu assalto,
prêmio no crime é ser lembrado, ladrão bom era o finado.
Compor horror Stephen King não me fez realizado,
queria contos felizes tipo Monteiro Lobato.
Na prova dos nove tenho mais filantropia,
que o hip hop massa de modelar da mídia.

[refrão 8x]
FC não é unanimidade unanimidade é burra,
pros cuzão apologia pra favela auto ajuda.





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Facção Central





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form