Vietnã do Brasil

Grupo: Pavilhão 9
Álbum: [Desconhecido]
Ouça o som:   tocar tocar tocar



Era uma vez uma cidade maravilhosa
Cheia de praias,praças e mulheres gostosas
Cidade bela vislumbrada pelo mundo inteiro
Quem não conhece o famoso rio de janeiro
Bonde,corcovado,cristo redentor
Praia de copacabana e circo voador
Lugares bonitos que atraem os turistas
Mas somente o que convêm é o que mostram as revistas
E em nossas vistas
Do outro lado o sangue tem manchado
Nossos cartões postais,nossos cartões postais
Quadrilhas rivais,matanças brutais
Por isso e por outras coisas nem turistas tem mais
O que acontece aqui e lá,pá,pá,pá
Tem influência no país inteiro,ra-tá-tá
Um quarto mundo dentro de um terceiro
Barril de pólvora pra explodir cadê meu isqueiro?
De são paulo ao rio são só 6 horas
É logo ali aliado não demora
E a chacina impera onde a lei não vigora
Cartão postal do futuro de agora
O pouco que ele passa estou certo não agrada ninguém
Mas se o que mostra for verdade está tudo bem
Bem te faço um convite,mas escute o que falo
Bem-vindo ao rio bem-vindo a são paulo
A nossa vida desse modo está por um fio
Bem-vindo à são paulo,bem-vindo ao rio
Não tente viver um dia no vietnã do brasil
(refrão2x)
Bem-vindo à são paulo,bem-vindo ao rio
Yeah cartão postal de agora vietnã do brasil.

A via dutra é o que liga esses 2 estados
E tanto lá como cá ambos não dormem preocupados
No manto da impunidade morre muita gente
Gente boa,gente má,gente inocente
São paulo e rio são bem procurados
Pessoas deixam suas casas e seus estados
À procura de emprego se iludem fácil
Avenida paulista
Que bela vista
Museu do ipiranga,ibirapuera bangu 1,2,3,carandiru
Complexo carcerário da américa do sul
Aí a sul é beleza,aqui a sul é perigo
Aí a sul tem granfino,aqui a sul tem bandido
Lotado de rico pobre,chapado de pobre rico
Interligamos os fatos somos bem parecidos
Por sermos reféns da miséria não existe resgate
Madrugadas selvagens,matanças a vontade
Nas vielas nos becos o terror e o medo
O silêncio existe pra garantir sua vida
Quem tem a língua comprida
Bum já era
Tudo isso envergonha nosso país brasil
Mas ninguém ouve ninguém viu
Bem-vindo à são paulo,bem-vindo ao rio
Não tente viver um dia no vietnã do brasil.
(refrão)

Lei,autoridade,cidadania
Belas palavras que não chegam na periferia
De uma guerra surda penas uma batalha
Lembro as datas e vejo que a memória não falha
Outubro de 92 final do ano
E algum tempo depois continuo pensando
Agosto 28 de 93
Parece mentira fizeram tudo outra vez
Crueldade em alto requinte
E os estados contam os mortos no dia seguinte
Escopetas,pistolas,ar-15
Armas de alta precisão grosso calibre
A bandidagem da polícia facilita o ato
Bandido contra bandido fogo cruzado
Enquanto a impunidade fala mais alto
O sangue lá do morro escorre pro asfalto
E como disse me espelho na realidade
E penduro o meu capuz se não for verdade
Mas pense duas vezes antes de vir pra cá
Me sinto na obrigação de te alertar
Bem-vindo à são paulo,bem-vindo ao rio
Não tente viver um dia no vietnã do brasil.
(refrão)





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Pavilhão 9





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form