Rap do Ônibus

Grupo: Projota
Álbum: Não há lugar melhor no mundo que o Nosso Lugar
Ouça o som:   tocar tocar tocar



As pernas doem o suor escorre
e vem no rosto pálido de um homem que não é ninguém
Vai trabalhar guerreiro
Vai trabalhar bem
le-re-re-re-re-re-re

Mais um dia comum
Na nossa vida comum
Com fé, Senhor, nos leve pra onde quiser
Proteja nossos corpos e nos mantenha de pé
Que eu possa entrar e sair vivo de um metrô na Sé

Seria engraçado se não fosse desesperador
Aos olhos de quem me governa esse é o meu valor
Sardinhas enlatadas são jogadas ao relento
Folhas secas, sem vida, são levadas pelo vento
A raiva toma conta, muita treta, normal
Nasce agora um assassino serial
Prefeito que dá o aval
Avisa já pra geral
Economiza porque o buso vai subir mais um real
Meia dúzia na rua derruba buso incendeia
alguns sem vê sem nada e só falam da vida alheia
mas a cidade tá cheia
quanto mais gente mais impostos, mas lucros pros líderes da aldeia

Refrão:
Me diz quem tem que acordar assim (é nóis)
Me diz quem tem que acordar assim (é nóis)
Me diz quem tem que acordar assim (é nóis)
Me diz quem tem que acordar assim (é nóis)
ow cobrador! Deixa os meninos passar
vou sofrer uma hora e meia e ainda tenho que pagar
libera ae, porque tá caro pra caraio
eu não achei meu dinheiro na bosta, deu mó trabalho

cuidado onde pisa, pois pode ser meu pé
cuidado onde alisa, pode ser minha mulher
veja quem manifesta, o exército de Zé
cuidado com o que testa pois pode ser minha fé
meu povo quer ver melhorar
porque dá mais trabalhar chegar no trabalho do que trabalhar
mais tarde, quando cê ver o moleque roubar
é porque o pai dele tava no busão em vez de ta lá pra educar
meu povo tá cansado, já nem se queixa mais
se vê acostumado e vive essa guerra em paz
meu povo sente fome, tem que ganhar dinheiro
pra isso precisa ser o que não quer o dia inteiro
hoje eu vou pular catraca, na moral
não vou pagar dois e pouco num serviço que não vale um real
tem um pilantra que compra Iate
enquanto a gente se bate pra pagar pra ele a vista a cesta de Natal

navio negreiro hoje não difere cor
amontoa e leva pra lavoura a qualquer trabalhador
as mãos cansadas penduradas na barra de uma gente que chora
mas nunca perderá a sua garra
São Paulo é uma cadeia, faço a rebelião
queimar colchão pra ver se alguém melhora a situação
ninguém se move ninguém se machucará
então, enquanto isso eu vou cantando no busão
assim

Refrão

Cansados, vão e vem pela cidade
Vai trabalhar guerreiro
Vai trabalhar bem





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Projota





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form