Nu Deserto (Part. Wesley Nóog e B.Valente)

Grupo: Versão Popular
Álbum: Quem Viu, Viu
Ouça o som:   tocar tocar tocar



No Deserto
Num deserto sem água
Num deserto são magoas
São os mesmos motivos
Transformados em traumas
Se o camelo é de ferro
O sultão tem o berro
Olhares no andar
Quem vem lá eu não erro
A vingança é a praga
Não tem gênio nem fada
Os bacanas têm tudo
Se sentindo no nada
Agonia secular
O que será eu não sei
enquanto os monstros de areia
Escorpião quer ser rei
Viajando nas miragens
Multidão e sol quente
Tenebroso ou não
O que vira pela frente
eu vejo crentes e ateus
Super homens, plebeus
Quem ao certo será
O porta voz de um Deus
Fariseus e faros
O shake tem a voz
diz ser soberano
Num poder sobre nos
E nois Nunca se entrega
Já dizia o marajá
Já não acredita
Traído no habitar
Mentes vaidosas
Sempre cabulosas
Damas não são damas
quando enfim desprezam rosas
De olho no plaque
desprezo pro buque
Querem homens suicidas
E eu vou falar o que
Judeus e coreanos
Testam seus dialetos
São planos e planos
Pirâmides de concreto
Tec tél nas bermudas
Com as praias não se iluda
Pro Tio Sam desespero
E as torres descem mudas
Virou poesia
Poeira em Nova York
AR Quinze aponte
E o mesmo vive em chock
Espelho espelho meu
Me diga quem sou eu
Um franco a lutar
Ou o fraco que perdeu
Num deserto triste
Eu vejo quem perciste
Sempre o mesmo povo
As margens que assiste
Destruição a cores
Deu um lado vivem horrores
São morros e mortes
Sem cortes são as dores
Faces da babilônia
Mil noites de insônia
Seu João já nem dorme
Já nem come e nem sonha
Sofrimento no Saara
As doenças que não sara
As pegadas na areia
Que um verme deixou falhas
Falhas de um trapaceiro
Por dinheiro compra pódio
Tem um traidor de Audi
E um traído no ódio
Nos a agitos do Egito
Tem um lance em alta
São crianças no lança
no Agitando das latas
cachorro nas  lixeiras
Transzitando nas biqueiras
no vai e vem
Mais de cem, brincadeira
Demônios na garoa
E nois na tempestade
No brilho e no breu
Nos acasos da cidade
Cidadã mente sã
Mantenha os olhos abertos
São anos, e anos.
Na escuridão do deserto.

Refrão 2x

Quantas vezes
Olhei ao meu redor
E não vi nada
Sedento no deserto
A procura De um cantil de agua
Ou mesmo De um cacto intacto
Blindados de espinhos
Quase sempre sozinho
Na cidade de são paulo
Metropole concreto
E o que tem de resto
Frustação, insucesso
De certo Balões apagados no céu
Origame Vejo astros de papel
Se sentido mais que a ursa maior
Queria só Ver você andar sozinho
Sem ninguém
Trilhar o seu caminho
Tá na viagem
é miragem ou tem coragem
De encarar a ventania
Em busca do Oasis
Não esquenta tudo é fase
Não esquenta são só frases
Que falta faz
O eterno sabotagem
Rap forte sem trote
Da sul a zona norte
Racionais a voz ativa
Mano brown e Edirock
É loko
Sobrevive só os fortes
Mas tem bonés
Na cabeça de josés
O sofrimento que te assola
Ta na sola dos meus pés
Mas de dez
Quase vinte
Na cidadede São Paulo
Construindo edificio
Residindo em barracos
Não é facil
Mais quem te disse
Que a vida é facil
Se foi a meretriz
Que no risco de um giz
Facilitou pro individuo
A compra do amor
Comercializo simplesmente
Aquilo que não ganhou
Dos mandamentos
Eu me lembro
Foi escrito a milianos
Não cobice nem inveje
Tudo o que é dos mano
Praga quem propaga
Com a voz e um tom de ira
Contrato vitalicio
Com o pai da mentira
E escaldante, o sol
Do saara ou seara
No deserto eu tenho fé
O que tiver que ser será.

Refrão 2x

No deserto é triste
quem é fraco desiste
No deserto é triste
quem é fraco desiste





Tem erros na letra? Clique aqui para corrigir


Esse video não é dessa música? Clique aqui para nos informar

Veja mais letras e videos de

Versão Popular





Publicidade



Rap Nacional? Tá no lugar certo! © 2011 Rap Na Veia. Design originalmente por: spyka webmaster (www.spyka.net) XHTML e CSS validados

Feedback Form